“O que aconteceu com o dinheiro que estava aqui?

No mês passado as minhas contas estavam em dia, mas nesse mês aquele boletinho vai vencer porque não sobrou dinheiro para ele”.

 

carteira vazia por causa das dívidas

Se me virar de cabeça para baixo não cai meio centavo!

Começa assim, com um simples boleto atrasado e termina com você pagando juros de mais de 300% ao ano do cartão de crédito e do cheque especial. 

Você deve se perguntar como foi que chegou a esse ponto. 

Acredite, em março deste ano existiam 63 milhões de consumidores inadimplentes no Brasil.  

Eu tenho certeza que a maioria das pessoas que hoje estão endividadas, tiveram dinheiro um dia.⠀

Elas certamente fizeram contas porque confiavam que a fonte de renda que possuíam era suficiente.⠀

O que deu errado então?⠀

Os motivos são vários: imprevistos, má gestão do dinheiro, hábitos financeiros nocivos… A lista é grande e deságua no mesmo lugar: as temidas dívidas. 

contas atrasadas

É tanta conta em vermelho que se espremer sai sangue

Parece um buraco sem saída, né? Mas esse post é a luz no fim do túnel que você precisava. 

Foco total aqui porque eu vou compartilhar 7 dicas para te ajudar a sair do vermelho. 

sair das dívidas para ter paz na hora de dormir

Bicho papão? Eu tenho medo é de encontrar mais conta debaixo da cama. 

1- Faça uma lista de todas as contas em atraso

Você precisa saber o tamanho do problema para traçar uma estratégia. Quando as pessoas se endividam, significa que elas já perderam o controle das finanças, certo? A tendência é que essa falta de controle só aumente. 

Justamente por isso é comum que o (a) endividado (a) não saiba quais dívidas tem, só sabe que são muitas. 

Então, primeiro passo é identificar todas as suas dívidas. Separe-as em uma lista com as seguintes colunas: valor da dívida e a porcentagem de juros que incide sobre ela mês a mês. 

No final da lista, faça a soma de todas as suas dívidas. Essa informação será importante para as próximas dicas. 

2- Tenha um controle financeiro

Quais são as suas fontes de renda e quanto de dinheiro elas te proporcionam por mês?

E qual é o custo total dos seus gastos por mês?

Você sabe essas informações?

Não adianta saber de cabeça, você precisa anotar em um papel para que nada passe despercebido porque quando estamos endividados, qualquer centavo a menos ou a mais faz diferença.

Você pode usar uma planilha, um aplicativo de celular ou o famoso papel, o importante é que tanto as suas receitas quanto as suas despesas estejam claras.

Com o controle feito, o próximo passo é a análise.

Dos gastos que você identificou, quais são supérfluos e podem ser eliminados?

Essa é uma parte que será dolorosa, mas você precisa apertar o seu orçamento durante um ou dois anos para viver com tranquilidade o resto da sua vida. 

É melhor abrir mão de alguns prazeres  agora e se organizar do que deixar as dívidas te consumirem. 

E se você terminou o seu controle e descobriu que gasta mais do que tem, então precisa MESMO fazer cortes. 

3- Renegocie as suas dívidas

Você já sabe o valor total das suas dívidas e fez o seu controle financeiro. 

Com o seu controle financeiro, quanto de dinheiro está sobrando no final do mês? 

Você vai renegociar as suas dívidas de acordo com o valor que terá em caixa mensalmente. 

Priorize as dívidas com juros mais altos primeiro, porque elas tem um poder maior de descapitalização. 

Se mesmo com o controle financeiro você ainda não possuir a quantia necessária para renegociar todas as dívidas, considere trocar as dívidas mais altas (cheque especial e cartão de crédito) por dívidas mais baratas (empréstimos pessoas com juros baixo).

Não se esqueça que é importante FAZER CONTAS para verificar se realmente trocar uma dívida por outra será vantajoso.

4- Procure uma fonte de renda extra

Uma outra alternativa caso você não tenha o dinheiro necessário para renegociar todas as dívidas, é procurar uma fonte de renda extra. 

Você pode vender pertences que não utiliza mais e que estão em bom estado de conservação como livros, roupas, sapatos, brincos, anéis, pulseiras, relógios, etc. 

Você pode trabalhar como passeador de cachorros aos finais de semana. Se na sua casa tem uma garagem sem uso, você pode alugá-la para quem precisa. Você pode fazer doces para vender no seu ambiente de estudo ou de trabalho.

Enfim, a lista de possibilidades é enorme.

Aqui vale lembrar que esta não é uma situação eterna, ok?

Quando a gente fala em apertar o orçamento, fazer corte de gastos e procurar fonte de renda extra, dá até pra ouvir a pessoa se lamuriando na mente dela.

É claro que não é uma situação confortável e que vai demandar tempo e paciência, mas veja bem, você está fazendo isso agora para viver com tranquilidade no futuro.

Então, pense que vai doer agora para não doer depois.

 

5- Não faça novas dívidas

Você vai ler esta dica e pensar “isso é óbvio, né?”

Mas acredite, nem todo mundo consegue enxergar o óbvio. 

Reflita sobre a situação a seguir: você tinha uma dívida de R$10.000,00. Seguindo as dicas que eu dei aqui, você conseguiu diminuir R$5.000,00 dessa dívida em um ano. 

Já sobra dinheiro no final do mês e você consegue respirar sem que as contas atrasadas brotem do bueiro 24 horas por dia. 

Está tudo sob controle!

Então, se está tudo sob controle e você se organizou financeiramente, não vai fazer mal uma compra parcelada em 10 vezes né? Afinal, as dívidas estão renegociadas, você está pagando religiosamente na data, tem dinheiro sobrando. Está tudo certo. Dá para fazer uma comprinha. 

 

sair das dívidas sem fazer outras

Não adianta conter um vazamento se você está fazendo novos furos

A tendência é que ao perceber que sua vida financeira está controlada, você acredite que possa fazer novas compras. 

Só que você não pode. 

A regra de ouro aqui é proibir o uso do cartão de crédito, do cheque especial e dos parcelamentos enquanto você está quitando suas dívidas. 

Por isso, não caia na armadilha de se endividar novamente porque a situação está ok. 

É importante ter controle emocional e inteligência financeira, se não você nunca vai chegar ao próximo estágio e atingir a riqueza. 

6- Adeque o seu padrão de vida a sua realidade financeira

A maioria dos brasileiros não tem o hábito de poupar. E isso não sou eu que estou falando, são dados de uma pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

Como não tem o hábito de poupar, algumas pessoas vivem sempre no limite – ou no pior dos casos, extrapolando ele.

Por exemplo, imagine que a Maria não tem o hábito de poupar e ela ganha R$2000,00 por mês. 

Se ela for promovida e receber um aumento de salário e passar a ganhar R$4000,00 por mês, o seu padrão de vida vai subir também.

Perceba que o problema não está em quanto se ganha, mas em como se administra. 

Se a Maria não subisse o seu padrão de vida, sobraria R$2000,00 por mês. Seria ótimo, certo?

Então, se você está endividado (a), faça uma análise da sua vida. O padrão que você vive hoje condiz com o dinheiro que você recebe?

Muitas vezes as pessoas fazem malabarismos financeiros para manter as aparências. 

Imagine o quão desgastante isso não é.

Por isso, se você está vivendo acima do seu padrão financeiro e está endividado (a), considere diminuir o seu padrão para que as suas finanças fiquem ajustadas. 

7- Organize-se financeiramente

Para sair e se manter longe das dívidas, você precisa se organizar financeiramente. 

Você pode conferir neste post 7 passos para organizar a sua vida financeira.

Para complementar, eu separei algumas dicas que podem te ajudar nesta organização:

1- Não gaste mais do que você ganha


2- Valorize o seu dinheiro e não entre em parcelamentos longos e com juros altos


3- Planeje suas viagens e compras que possuem valor alto com antecedência. Assim, você consegue pesquisar o preço mais em conta

 
4- Não compre por impulso. Faça sempre as seguintes perguntas: Eu PRECISO disso? Eu consigo viver o próximo mês sem essa compra? Com estas perguntas você vai conseguir perceber se está comprando por compulsividade ou se porquê aquela compra realmente é necessária

A caminho dos dias de glória

Eu espero que depois de ler estas 7 dicas, você coloque-as em prática. É impossível conseguir resultados diferentes se as ações continuam as mesmas. 

Eu sei que vai ser doloroso no começo porque eu já estive no seu lugar. Já acumulei dívidas, já troquei de calçada para não dar de cara com o credor, já sorteei o boletinho vencido que seria pago no final do mês, já recebi ordem de despejo por atraso no aluguel. 

Já passei cada perrengue por causa de má administração do dinheiro que dá até para escrever um livro (quem sabe um dia). 

É difícil mesmo, você vai precisar sair da zona de conforto, mas acredite, a vida do lado de cá – sem dívidas e com dinheiro investido – é muito melhor. 

Eu espero que você tenha gostado deste texto e que ele seja útil na sua batalha contra as dívidas. 

Nos vemos na semana que vem! Até lá! 

rebatendo as dívidas

Rebatendo as dívidas para bem longe depois da leitura desse texto!

%d blogueiros gostam disto: