Positive Company

Investimentos para crianças: como você pode garantir o futuro dos seus filhos

Planejar os investimentos para as crianças não precisa ser um desafio, só é necessário organização e educação financeira.


Investimentos para crianças: como você pode garantir o futuro dos seus filhos
Investir e poupar deve ser um hábito desenvolvido em crianças desde cedo | Foto: Jcmp/Freepik

Uma das decisões mais desafiadoras e também super realizadoras é a de ter filhos. Essa é uma decisão que demanda uma estrutura psicológica e financeira, não só antes, mas também durante o crescimento das crianças. 

Por isso, pensar e ensinar sobre dinheiro para as crianças é tão importante. Afinal, elas precisam aprender a valorizar o rico dinheiro que você lutou e luta para o futuro delas e, principalmente, aprenderem a como fazer o dinheiro trabalhar para elas.

Antes de qualquer coisa o papo tem que ser com você pai ou mãe, ou futuros pais, nós  precisamos falar sobre estrutura financeira e controle de gastos. 

Para que você possa desenvolver um projeto de investimento para crianças, é necessário que você coloque a sua “casa em ordem”, ou seja, verifique como está a sua saúde financeira e como poderá repassar ensinamentos para seus filhos.

Se você está querendo fazer investimentos para seus filhos, mas as coisas ainda não estão em ordem, aqui vai uma dica: inicie o processo de organização financeira e traga os seus filhos para dentro do processo. Assim, poderá dar a eles a possibilidade de aprender fazendo.

Comece ajustando suas contas, controlando suas entradas e saídas, estruturando sua reserva de emergência e depois fazendo investimentos. 

Você pode construir junto a eles os objetivos e também ajudá-los a compreenderem sobre o universo das finanças.  E para que você possa aprender sobre como fazer investimentos para crianças, basta seguir a leitura!




 Você vai aprender:




Investimentos para crianças, por onde começar?


O primeiro passo dos investimentos para crianças pode começar até mesmo antes da criança chegar. Sim! Isso, caso você esteja planejando ter filhos ou se ainda está em período de gestação. 

Aqui está o processo de planejamento, onde você irá determinar os caminhos como os objetivos, o propósito da carteira, também irá definir qual será o comprometimento da sua renda para com o futuro do seu filho.

O ideal é que esse planejamento e os investimentos comecem o quanto antes, mas caso seus filhos já estejam maiores, não se preocupe! Você também pode seguir as dicas que trouxe aqui.

A educação financeira tem que ser uma grande aliada, crianças que aprendem a dar valor no seu dinheiro desde novinhas, se tornarão adultos mais conscientes e terão menos problemas para realizar seus sonhos, além de poderem conquistar a liberdade financeira mais rápido. 

E que pai e mãe não quer ver o filho desfrutando das boas oportunidades da vida, não é mesmo?

Comece ensinando seu filho a administrar pequenas quantias de dinheiro, quem aprende a administrar 100 reais, saberá como administrar 1 milhão. Uma técnica muito interessante é a da mesada ou semanada, a primeira para crianças acima de 8 anos e a segunda para abaixo de 7, pois elas vão aprender a administrar seu próprio dinheiro. 

Essa ordem de ser mensal ou semanal é devido a capacidade da criança de se comprometer e aprender com aquilo que estão fazendo. Crianças abaixo de 7 anos possuem a necessidade de repetir processos para aprender, por isso o tempo é menor.

Você como pai ou mãe deve explicar, de forma didática e com o vocabulário da criança, a importância de guardar uma parte desse dinheiro para compras de médio prazo e também para investir. Entretanto, não se esqueça, a criança precisa também entender que o dinheiro pode proporcionar coisas legais, por isso ela tem que ter uma parte do dinheiro para gastos de curto prazo. 


Observação: a temporalidade de uma criança é diferente de um adulto, por isso, fique atento/a a isso quando for explicar sobre prazos. Outro detalhe importante é que, em casos de compras grandes, a criança pode não conseguir “juntar” o dinheiro total, mas é interessante que ela participe com uma parcela da compra.


Com o passar dos anos é indicado que a criança passe a participar do processo de investimento para o futuro dela. Ela precisa entender a importância e o objetivo que aquele investimento foi feito, assim, ela poderá começar a se responsabilizar e sentir que está dando valor ao dinheiro que será dela quando possuir a maior idade.


Crianças podem abrir conta em uma corretora?

Todo esse processo de investimento pode ser feito em uma corretora, muitas delas possuem a possibilidade de aberturas de contas com titularidade das crianças, mas com administração dos pais. Algumas delas são:


  • Easynvest by Nubank;
  • Banco Inter (Kids);
  • Rico;
  • Clear;
  • Toro Investimentos;
  • XP;
  • BTG Pactual

Cada uma dessas corretoras oferece a abertura de conta já no nome da criança que será a titular, além da possibilidade de uma conta compartilhada. Em algumas, o TED pode ser feito a partir de titularidades diferentes. Porém, outras delas é preciso que a criança também tenha uma conta em um banco para que seja feita a transferência de mesma titularidade. 


A fuga da poupança


Já que estamos falando por onde começar, precisamos falar também por onde NÃO começar. 

A poupança é um investimento que é super corroído pela inflação, ou seja, sua rentabilidade é bem abaixo da taxa básica de juros, a Selic, o que será apenas uma forma de guardar dinheiro e não de fazer ele render.

Então, a dica é fugir da poupança. Existem vários outros tipos de investimentos que são muito mais rentáveis e que trarão bem mais benefícios ao futuro do seu filho. Quer saber quais são eles? 

É só seguir a leitura.


De acordo com estudo  da Universidade de Cambridge, a maioria dos nossos conceitos e hábitos financeiros são formados até os 7 anos de idade | Foto:Jcmp/Freepik

Tipos de investimento

O mercado financeiro é diverso, coisa que é extremamente boa para nós que estamos buscando formas de projetar o futuro e conquistar a liberdade financeira. Um dos ensinamentos que você deve levar para si ao pensar nos investimentos para as crianças e até mesmo para os seu próprio investimento é o de nunca colocar todos os ovos em uma única cesta.


A diversificação é uma das grandes sacadas para minimizar o risco de perda e também para obter rendas de diferentes fontes. Dê uma olhadinha em alguns tipos de investimentos que você pode utilizar para montar a carteira de investimentos para seu filho.


Renda fixa

A renda fixa é o tipo de investimento com mais segurança e estabilidade, ela é mais direcionada para investidores de perfil mais conservador e para pessoas que querem manter uma estabilidade para o futuro. Dentro da renda fixa há diversos tipos de investimentos, cada um deles possui sua particularidade e são bem interessantes para o futuro do seu filho. Essa modalidade traz ao investidor mais estabilidade já que estão indexados a índices, certificados e também a títulos emitidos pelo governo. Pode ser bem interessante para investimento para crianças e também pode ser pensada para sua aposentadoria.


 Alguns tipos de investimentos em renda fixa são:


  • Tesouro Selic (pré e pós-fixado); 
  • Poupança (nada recomendável); 
  • Debêntures; 
  • CRI; 
  • CRA; 
  • LC;
  • LCI; 
  • LCA ;
  • CDB;
  • Títulos Públicos.

Previdência Privada

Ela pode ser uma boa opção desde que bem estudada e planejada, pois há muitas empresas que oferecem produtos com retornos não tão interessantes. A previdência privada é feita através de pagamento de uma parcela mensal, sua rentabilidade e seu vencimento – dia em que seu filho ou você irá retirar o dinheiro, já determinado no contrato. Esse investimento pode ser interessante ao longo prazo devido ao seu IR regressivo e a algumas particularidades, mas é extremamente importante que você avalie e entenda bem o que está fazendo.


Renda Variável


Atualmente, na B3, a bolsa de valores brasileira, possuímos 19.967 investidores com menos de 15 anos. | Fonte: B3

O mercado de renda variável é o que possui a maior rentabilidade, mas também é o que exige o maior preparo do investidor. Você pode investir em ações, BDRs, Índices, Dólar, Ouro, entre outros tipos de investimentos, nele você pode atuar em curto, médio ou longo prazo a depender da sua estratégia.

Ao planejar uma carteira para o seu filho, é recomendado que você estruture uma carteira que seja pensada no longo prazo para que, no futuro, o patrimônio acumulado possa ser administrado por ele.

Ao contrário do que muito se diz por aí, a renda variável é bem mais fácil de ser compreendida e não é merecedora do título de “jogo”. 

No mercado de capitais você consegue administrar uma carteira fazendo uma boa gestão de risco e obtendo uma lucratividade muito superior à renda fixa e à previdência privada e isso só vai depender do seu comprometimento e foco. Sem essa história de sorte ou achismo.


Alguns dos investimentos em renda variável são:

  • Ações;
  • FIIs;
  • Commodities;
  • Contratos Futuros;
  • ETFs;
  • Opções;
  • Moedas e fundos cambiais;
  • Criptomoedas.

Investimentos para crianças: Ações

As ações são pequenas frações das empresas listadas na bolsa, ao investir nelas você poderá ganhar na valorização do preço do ativo e também nos dividendos, o que irá potencializar a carteira do seu filho. 

O mercado de ações possibilita muito crescimento, digo isso pois estou na bolsa de valores diariamente aumentando o patrimônio da minha família. Todavia, é importante frisar que esse é um mercado cheio de oportunidades, mas para entrar nele, você precisa buscar conhecimento e aprender a desenvolver investimentos estratégicos e com propósitos.



Investimentos para crianças: Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs)

Os FIIs são investimentos que você pode comprar cotas, nome dado às menores parcelas do fundo, e receber um dividendo, que chamamos de aluguel, todo o mês. Assim você poderá aumentar o patrimônio da carteira do seu filho de forma mensal e passiva. 

Quer aprender mais sobre esse assunto? Assista o vídeo a seguir:



Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: